Painel coletivo da ZIV é portal para o mundo amazônico

Painel coletivo da ZIV é portal para o mundo amazônico

obra de arte coletiva painel coletivo

Obra de arte coletiva mobilizou 16 artistas. Foto: Evandro Macedo

Senhores passageiros, apertem os cintos – e soltem a imaginação – para esta viagem pela Amazônia, em plena capital paulista. Vamos passear pelo painel coletivo da ZIV Gallery: “Amazônia, seu povo, sua flora e fauna”.

Quando se vem da rua Harmonia, entrando pela viela do Beco do Batman, após inúmeros grafites exuberantes na forma, na cor, nas referências e no estilo, uma janela de vidro, no meio do maior grafite do local, deixa ver no interior da construção recente, uma parede gigantesca, passando de um andar para outro com um menino indígena iluminado pela mata, banhado pela lua, ao lado de uma índia-mãe com seu bebê e de uma deusa Gaia, a própria Mãe-Terra, alimentando seus rebentos.

O olhar sobe, encontra referências botânicas de folhas, mais uma índia, uma “abespa” (mistura de vespa com abelha). Há maraca do povo Baniwa, coração de madeira queimado, macaco, o personagem folclórico brasileiro curupira em ambiente pictórico, o salto do boto-cor-de-rosa, o olhar e as impressões digitais da identidade brasileira, arara vermelha, a mão dos indígenas com o guaraná nativo, o peixe amazônico tucunaré em meio a grafismos inspirados em joias indígenas e no alto da tela, mais perto do céu, as sensações de viver mais perto da natureza.

A viagem é longa e com as luzes do dia e da noite, a obra muda de cor e atmosfera. Cada momento gera um insight, uma observação diferente, especialmente se você muda o ângulo de partida, sobe as escadas ou se posiciona no andar superior. Há sempre um prisma novo para descobrir nesse passeio pela arte, pela Amazônia, pela visão dos artistas e pela mistura disso tudo com as experiências de cada observador.

Artistas participantes do painel coletivo

Caio Bless, Chermie Ferreira, Felipe Lanzas, Sapiens Questione, Paullo Flecha, Ilka Lemos, Marcela Rodrigues, Rodrigo Trompaz, Fernanda Yamamoto, Izu, Renato, Joks Johnes, Mirs Monstrengo, Michele Micha, Rocha, Tom WrayClique nos nomes para acessar o Instagram dos artistas.

 

O poder de uma obra de arte coletiva

obra de arte coletiva painel coletivo

Há sempre um novo prisma para descobrir

Era para ser uma instalação e nasceu um painel imponente de mais de 40 metros quadrados, conectando o Beco do Batman à ZIV Gallery e vice-versa. Uma obra de arte coletiva sobre “Amazônia, seu povo, sua flora e fauna”, com exaltação e crítica.

Reunir 16 artistas não foi uma tarefa fácil para a galeria e exigiu planejamento artístico e operacional, em conjunto com os criadores.

A ZIV Gallery fez a proposta do tema e os artistas encaminharam seus esboços. A curadoria fez a composição digital das obras e optou por um design em forma de totem-palmeira: estrutura estética onde se cria um eixo central com pesos e volumes simétricos para equilibrar a mensagem. Nas laterais direita e esquerda estende-se a mesma técnica criando uma composição harmônica, desvenda Evandro Macedo, curador da ZIV Gallery. “Os artistas propuseram um caminho estético e fizemos a composição racional. Tudo foi pensado: quais os pesos, cores, espaço para produzir.”

Na realização da obra, tomou-se enorme cuidado no planejamento de cada pintura para manter o distanciamento social por questões sanitárias.

Cada criador recebeu indicação de onde fazer sua pintura e o painel foi nascendo e criando forma com a generosidade criativa dos participantes. “Devido ao diferencial absurdo colaborativo, os artistas foram fazendo pontes, fechamentos e junções entre obras. Uma arte ia entrando na outra por escolhas de tons, nuvens, formas para conseguir junções perfeitas”, explica Macedo.

Ao final, o último artista a pintar, percebeu a necessidade geral da obra e encerrou os fechamentos necessários com elementos etéreos, como sombra e luz, onde viu necessidade.

“O mural foi coletivo tanto pela composição de vários estilos artísticos, como, principalmente, pela interação e cooperação entre os criadores”, analisa Helder Kanamaru, sócio da ZIV Gallery. “Foi uma aula de generosidade e criatividade.”

 

Encantamento em forma de arquitetura

obra de arte coletiva painel coletivo

Arquitetura adotada permite integração de espaços e a produção de grandes obras

Todo o percurso criativo do mural coletivo da ZIV Gallery só é possível porque a arquitetura adotada permite integração de espaços, potencialmente pequenos, transformados em áreas apoteóticas.

As escolhas arquitetônicas trazem verticalidade para o centro do prédio, integram andares, quebram formatos convencionais e fazem a conexão dos grafites externos com os quadros, instalações e o longilíneo painel coletivo interno.

“É como se o Beco do Batman continuasse galeria adentro. Ao mesmo tempo, de todo ponto você enxerga o mural e a arquibancada construídos”, explica a arquiteta Vanessa Feres, responsável pelo projeto da ZIV Gallery.

Conheça o painel sobre a Amazônia da ZIV Gallery. A ZIV é uma galeria de arte contemporânea, localizada no Beco do Batman, cujo propósito é criar oportunidades e gerar transformações com arte!

Chermie Ferreira e o desafio de retratar o Norte do Brasil

Chermie Ferreira e o desafio de retratar o Norte do Brasil

Chermie Ferreira, artista plástica

Filha de Suane, neta de Rita e Raimunda, bisneta de Maria, a artista plástica, Chermie Ferreira, se fez na vida e na arte, inspirada pela coragem e determinação das mulheres de sua família.

Em entrevista à ZIV Gallery, Chermie conta as intrincadas histórias de suas ancestrais e como elas formaram um de seus traços pessoais e artísticos mais fortes: a defesa das mulheres e a luta pelo empoderamento feminino. Sem esquecer de valorizar as culturas indígena e ribeirinha da região Norte do país.

Por esses objetivos, a menina destemida, natural de Manaus (AM), foi para as ruas grafitar, mudou de estado, viajou o Brasil, denunciou um ex-companheiro violento, ministrou palestras e oficinas reunindo graffiti, autoestima feminina e políticas públicas.

Radicada em São Paulo, desde 2018, na cidade, Chermie Ferreira se encontrou e se firmou como artista multitalentosa. De seus muitos papéis, dois se destacam e se apoiam: o de artista e o de mãe.

Com a arte, espera ajudar a construir um mundo melhor para as filhas de Sara e Wira Tini, tal como suas bisavós, avós e mãe fizeram pelas gerações seguintes.

 

Ancestralidade refletida na arte

Chermie Ferreira, artista plástica

Chermie é descendente da tribo Kokama e leva sua ancestralidade para a arte

Para entender a arte e a história de Chermie, é importante mergulhar em sua ancestralidade marcada por migrações e jornadas desafiadoras.

A bisavó de Chermie, Maria José, natural da Bahia, casou-se no Acre com o índio Kokama José, do Amazonas. A filha deles, a avó Rita, se apaixonou pelo avô Sólon, mas o bisavô era contrário à união, porque temia pela filha, negra, casada com um homem branco, já imaginando o racismo pelo qual passaria ao longo da vida. “Meu bisavô era um homem simples em Xapuri, mas já conhecia bem o racismo porque sua esposa Maria José, sendo negra, já enfrentava isso bem de perto”, aponta a artista.

Para casar, Rita e Sólon fugiram do Acre, passaram pelo Amazonas, pelo Pará, onde nasceu Suane – mãe de Chermie – e seguiram para o Maranhão. Lá, o avô faleceu, deixando a avó com quatro filhos de nove, sete, quatro anos e um bebê de colo.

Depois do enterro, Rita, sem rumo, não voltou para casa, pegou os filhos e dali mesmo partiu para Belém, abandonando o pouco conquistado para trás. “Ela ficou sem chão”, revela a artista. Da capital do Pará, a família seguiu para Manaus, onde uma tia avó morava.

Rita conseguiu um emprego de cobradora de ônibus. “Ela saía às quatro da manhã para trabalhar”, conta a neta. A mãe por outro lado, uma criança, andava quilômetros, atravessando igarapé (rio estreito) e pegando ônibus até chegar à sala de aula. Depois, ainda na infância, conseguiu um emprego de doméstica. O tio de nove anos foi trabalhar como padeiro e em casa ficavam as crianças de seis e dois anos.

Com toda dificuldade, a avó nunca abandonou os filhos e ainda cuidou de outras crianças.

Dessa narrativa, feita pela mãe, Suane, em um café da manhã, Chermie teve insights para uma linha de trabalho artístico sobre maternidade. “Ser mãe cria uma potência nas mulheres e esse se tornou um tema importante para minha pintura, meus bordados, minha arte”.

Chermie Ferreira, artista plástica

Histórias familiares estão presentes no trabalho da artista manauara

Também de uma conversa à mesa, enquanto a família comia feijão com farinha, Suane relembrou um dos muitos dias passados na estrada, aos seis anos de idade, depois da morte do pai, no trajeto do Maranhão para o Amazonas. Sem dinheiro e sem comida, Rita – a avó – pediu a um homem um prato de comida, mas ele só tinha feijão com farinha para si e para oferecer aos viajantes. Grata pela doação, a avó fez bolinhos e deu aos filhos para aplacar a fome. A história mais uma vez acendeu a necessidade de retratar a vida da família, a coragem das mulheres e a vida no Norte do país.

Assim, com causos hiper-reais da vida familiar, ou pesquisando a realidade de sua terra natal, a artista vai criando novos caminhos para sua arte.

 

Chermie Ferreira pelas mulheres

As experiências familiares criaram outro traço importante da vida de Chermie: a defesa inabalável das mulheres.

A mãe da artista casou-se com um homem violento, seu pai, contrário à esposa estudar, mas ela nunca abaixou a cabeça, mesmo tendo de sair às seis horas e voltar meia-noite para trabalhar e se dedicar aos estudos.

Durante 12 anos, a mãe suportou os abusos físicos e psicológicos do ex-marido, cujo comportamento colocava em risco os próprios filhos, como quando ele ameaçou jogar o carro com toda a família, embaixo de um caminhão.

“Quando eu tinha nove anos, minha mãe fugiu de casa, cansada de apanhar. Ficamos um mês só com meu pai. As coisas só mudaram quando ele foi ao trabalho dela jogar as roupas na porta e minha mãe finalmente contou aos colegas a realidade de seu casamento. Como havia uma delegacia ao lado, ele terminou preso por agressão”. A mãe se separou, cursou Mestrado em Relações Públicas, cuidou e encaminhou os filhos, sem parar de trabalhar.

Dessa experiência, Chermie tirou a decisão de nunca deixar um homem ser violento com ela. Denunciou um ex-companheiro agressivo e também não aceitou isso de colegas artistas ou amigos em relação a suas companheiras.

“Nasci feminista, porque vim dessas mulheres e todo o resto complementa essa necessidade de ajudá-las a viver melhor”, diz. “Não preciso ler livros acadêmicos sobre feminismo, nem ter Frida Kahlo como referência porque elas vieram da minha vida, do meu convívio familiar”.

 

Arte para valorizar a região Norte

Chermie Ferreira

Chermie Ferreira cria eventos para incentivar mulheres na arte

O caminho da arte na vida de Chermie, começou pelo mangá, inspirado pelos desenhos animados Dragon Ball Z e Cavaleiros do Zodíaco, aos nove anos. Aos 16, foi pintar seu primeiro muro com amigos para incentivar as mulheres a disputarem os locais mais importantes de Manaus. “Havia muitas mulheres no graffiti, mas elas não disputavam o “hall off fame” da cidade – localizado em duas ruas de grande movimento”, aponta.

No início, fazia bonequinhas à la Nina Pandolfo, depois se especializou em letras 3D, partindo para um estilo mais novaiorquino, inédito na região.

Foi ganhando as ruas e criando eventos para incentivar meninas e mulheres na arte. “Ainda é muito comum as meninas deixarem o graffiti por gravidez na adolescência, então acaba havendo renovação forçada, porque as mulheres optam pelos filhos. Eu prossegui por ser teimosa, filha de Suane, uma educadora de filhas guerreiras”, ressalta. A mãe além de incentivar sua arte, cuidar da filha mais velha de Chermie, também fez questão de comprar a passagem da primeira viagem para a artista grafitar.

Depois de quatro anos no graffiti, em 2008, ela organizou o “I Festival de Graffiti Feminino da região Norte”. Em 2016, criou a plataforma de divulgação digital de trabalhos de mulheres, o “Graffiti Queens“. Dois anos mais tarde, veio o “1º Festival Internacional de Graffiti Feminino”, realizado em São Paulo. A artista também criou a primeira revista de graffiti feminina em meio físico.

No momento, Chermie está organizando o festival Yapai Waina, “levanta mulher”, em Kokama. É o 1º Festival Internacional de Graffiti com foco nas artistas plásticas do Amazonas e será realizado de 13 a 15 de maio, em Presidente Figueiredo (AM).

 

Chermie Ferreira se descobre artista em São Paulo

Chermie Ferreira, artista plástica

Do graffiti de Manaus para a cena paulistana

Com toda essa potência inabalável no graffiti, no início, Chermie queria mesmo era ser DJ. Chegou a se matricular no curso, em São Paulo, entretanto, foi para a Bahia trabalhar com tatuagem, Direitos Humanos, cursos e palestras para mulheres, além de continuar grafitando por onde ia.

Da Bahia, por motivos pessoais, desembarcou em São Paulo. “Me encontrei nessa cidade. São Paulo não para e eu, também não. Vivo a mil por hora com muitos projetos”, comenta.

Na capital paulista, ela finalmente se descobriu artista. “Não me via como artista até um ano atrás”.

 

Wira Tini volta para casa

Preocupada com a família em Manaus, cidade fortemente atingida pela Covid-19, especialmente com a mãe, do grupo de risco, Chermie viajou em 2020 para ficar perto da família, onde está se protegendo e ajudando a cuidar de todos.

Obra de Chermie Ferreira

Wira Tini, pássaro branco em Kokama, é o nome indígena de Chermie

Madura, agora, além de se sentir inteiramente artista, a pandemia trouxe novamente o convívio com a mãe e tios, histórias de família começaram a fazer sentido, passou a pintar quadros, inspirada em imagens de fotógrafos do Norte do país, com toques de impressionismo.

As lembranças da infância dentro do rio, nadando com jacarés, de viver em casas flutuantes, de andar de barco com o pai e o tio, ambos militares, aflorou ainda mais a identidade indígena e ribeirinha da artista manauara, reconhecida em São Paulo e contratada por uma galeria inovadora no propósito e na visão artística.

“Uma mulher, artista, mãe, do Norte, conseguir reconhecimento em São Paulo e estar em uma galeria moderna, nova, conectada com crenças de valorização das mulheres, da natureza, dos povos indígenas, da população ribeirinha, como a ZIV Gallery, demonstra minha maturidade e acerto em lutar”, alegra-se.

Dessa nova fase, estão saindo séries de trabalhos artísticos – tanto em quadros como em bordado – sobre mulheres amazonenses de diversas profissões; mães e crianças e sobre copaíba e andiroba, folhas de cura, em geral aplicadas por mulheres, também sempre relacionadas ao processo curativo das famílias.

O bordado é um aprendizado novo e responde à necessidade de aumentar as plataformas artísticas de Chermie, já reconhecida no graffiti, na arte digital e na pintura.

Chermie, nome de um peixe amazônico, também é Sara – de nascimento – e mais recentemente se tornou também Wira Tini, cujo significado na tribo Kokama é pássaro branco. Como peixe, ela nada forte e vence qualquer curso d’água e como pássaro, voa longe para conhecer o mundo e honrar seu povo e sua história pessoal.

Conheça as obras de Chermie Ferreira na ZIV Gallery. A ZIV é uma galeria de arte contemporânea, localizada no Beco do Batman, cujo propósito é criar oportunidades e gerar transformações com arte!

 

Galeria de obras de Chermie Ferreira:

Clique nas fotos para expandir e navegar.