Fernanda Yamamoto e o diálogo entre moda, esportes e arte

Fernanda Yamamoto e o diálogo entre moda, esportes e arte

Fernanda Yamamoto faz uma arte delicada sobre empoderamento

Todos os caminhos levavam Fernanda Yamamoto ao mundo da moda: a infância desenhando e criando roupas para bonecas, sua experiência com corte e costura, o convívio com as avós – ambas costureiras da família -, a faculdade de Moda, entre tantas outras coisas.

Entretanto, a pandemia e a paixão por esportes, além da aridez do universo fashion, deram uma guinada na visão de mundo da artista. “Fiz faculdade pensando em ser estilista, mas lá veio o choque de realidade. Estilista é muito mais para resolver B.O.’s. O mercado é muito injusto e duro. No fim, me apaixonei por ilustração e migrei para o designer têxtil, para desenhar estampas para tecidos”, explica em entrevista à ZIV Gallery.

Os quadros, em tons pastéis, com referências ao mar, ao surf, ao skate e retratando a natureza não são por acaso. Fernanda leva para a arte seus sentimentos quando está surfando, andando de skate e em contato com a natureza.

Há mais de um ano, a designer de 26 anos começou a surfar e cada momento de aprendizado, além de vitória pessoal, se torna uma possibilidade artística. “Surf é como uma meditação, é inspiração, mas também, como todo esporte é empoderador, especialmente para mulheres porque é um desafio ser uma mulher no mar. São poucas e não é fácil. Gosto da ideia de ser e retratar mulheres fortes, desafiadoras e praticantes de esportes, nenhum pouco preocupadas em estar ali para ter um corpo bonito, mas porque faz sentido para elas”, descreve.

“Eu faço uma arte delicada, com tons pastéis, e também fala sobre empoderamento”.

Além da relação com o surf, ela anda de skate e, igualmente, sente a dificuldade de ser uma mulher praticando o esporte. “Surf, skate e outros esportes são lugares em processo de conquista ainda. Às vezes, na força. Muita coisa está sendo conquistado mas tem muito chão pela frente. Tudo isso é background para o meu trabalho artístico na ZIV Gallery”, afirma.

 

Fernanda Yamamoto: a escrita antes da pintura

Obra de Fernanda Yamamoto

Fernanda inspira-se nas experiências junto à natureza para criar suas obras

Antes de um quadro nascer – ou uma pintura em madeira ou parede – Fernanda busca refletir sobre suas experiências na natureza, especialmente no mar, depois escreve sobre os sentimentos, escolhe palavras-chave passíveis de criar elementos visuais e vai construindo a composição artística.

O rascunho começa em softwares de criação de imagens e depois vai para o papel. A designer busca referências, faz pesquisas e começa o processo de pintura, com uma paleta de cores pastéis, menos saturadas.

“Não consigo viver sem escrever”, confidencia. Então, naturalmente, a escrita foi parar no processo de criação artística de Fernanda.

 

Respiro na vida

Enquanto a moda muitas vezes responde às influências do mercado e às questões comerciais, a arte é um respiro para Fernanda. “Arte representa vida, respiro, fuga, segurança e liberdade ao mesmo tempo”. Sem deixar de ser, em alguns momentos, lugar de confronto, frustração e sofrimento, lembra também.

Na pandemia, começou a refletir sobre a arte como via de expressão, não apenas como questão comercial, como viu na faculdade. “Tenho buscado a linha de artes visuais e expressão, tentado encontrar meu traço, os meus sentimentos a transmitir”, conta.

Obra de Fernanda Yamamoto

A artista participou do painel coletivo da ZIV Gallery

 

No final do ano passado, foi convidada para fazer parte do painel coletivo da ZIV Gallery e aceitou o desafio de trabalhar em um suporte diferente – a parede da galeria. “Fui direto do trabalho para a ZIV, trabalhei o tema da Amazônia, ao lado de artistas incríveis. Fico sempre chocada com os artistas. Trabalhar ao lado de Sapiens, Ilka, Marcela foi um orgulho… admiro todos. Fiquei honrada e o resultado foi inacreditável.”

No dia a dia, a artista busca referências para seu trabalho em Henri Matisse, Beatriz Milhazes, Conrad Roset, além de uma série de ilustradoras botânicas.

Antes de todos esses artistas, Fernanda se inspirou no trabalho das avós Nina e Noemi, costureiras da família. “Desde pequena, gostei de desenhar. Pegava retalhos, sobras de tecidos, rendinhas para fazer roupinhas para as bonecas. Era uma criança caseira. Criava da minha cabeça e cortava no olho as roupas, costurava e inventava historinhas com as bonecas”.

Hoje, com arte e liberdade, trocou a costura por skate, prancha, quadros, madeiras, paredes, computador e passou a criar pinturas sobre a natureza e os desafios femininos, além de fazer estampas para tecidos com o objetivo de iluminar o mundo.

Conheça as obras de Fernanda Yamamoto na ZIV Gallery.  A ZIV é uma galeria de arte contemporânea, localizada no Beco do Batman, cujo propósito é criar oportunidades e gerar transformações com arte!

 

Galeria de obras de Fernanda Yamamoto:

Clique nas fotos para expandir e navegar.

A arte de Marcela Rodrigues na representação de mulheres plurais

A arte de Marcela Rodrigues na representação de mulheres plurais

Marcela Rodrigues

Artista digital da ZIV Gallery, Marcela Rodrigues

Van Gogh, Picasso, Monet… a escola proporcionou experiências marcantes  à paulistana Marcela Rodrigues, como conhecer museus, grandes pintores e apreciar obras, mas também intrigou a jovem sobre o motivo de não encontrar mulheres artistas, entre os grandes expoentes da arte. Logo ela percebeu: embora as mulheres  tenham criado obras fascinantes, seus trabalhos, assim como suas histórias, não receberam o mesmo destaque dos homens da mesma época.

Preocupada com essa indiferença, depois de um longo percurso, da escola à universidade, a artista digital da ZIV Gallery decidiu desenhar mulheres para tirar a expressão do feminino “de caixas” e inspirar mais mulheres a ocupar espaço na arte.

“Em um certo momento resolvi: todos os meus desenhos de formas humanas serão de mulheres, porque todas as formas de representação  feminina geralmente são elaboradas por homens e nos colocam em caixas, como se fôssemos padronizadas”, destaca em entrevista à ZIV. “Nós somos muitas em uma só.”

“Meu trabalho traz mulheres delicadas e ao mesmo tempo com expressão de força e atitude, com alguma sensualidade”, detalha a artista. Logo, ela também incorporou elementos da natureza aos trabalhos porque “semear, colher, dar frutos são máximas femininas.”

 

A arte de brincar sozinha

Marcela era uma desenhista contumaz na infância. Filha única, encontrou no desenho uma brincadeira para fazer sozinha e sem perturbar os pais.

Mandala

Uma das paixões de Marcela, as mandalas ajudaram a artista a encontrar novos rumos na vida.

A pequena desenhista cresceu, ganhou concurso de ilustração na adolescência e decidiu cursar publicidade para continuar explorando seu lado artístico, mas a realidade mostrou-se muito diferente. Além de não ter mais tempo para desenhar nesse período, trabalhar em agência de publicidade, por quatro anos, foi cansativo e pouco criativo. “Era um ritmo muito louco e apesar de gostar de trabalhar com criação, era muito podada, ficava engessada em meio a contratos e clientes”, conta.

Cansada física e mentalmente, Marcela pediu demissão do trabalho e fez um mergulho intenso e profundo em si mesma, especialmente quando descobriu a arte de desenhar e pintar mandalas. Começou a desenhá-las de forma espontânea, como hobby, foi pesquisando por conta própria seus significados, fazendo e refazendo círculos e camadas infinitas e simétricas, de forma muito intuitiva. Na mesma época, descobriu a meditação e as duas técnicas ajudaram a artista a voltar a desenhar com alma. “A arte é como meditação, precisa de tempo e atenção e é intuitiva como o desenho de mandalas”, explica.

Após as mandalas, passou a acrescentar mensagens e a explorar temas com os quais tem forte conexão, como a natureza. Foi aprofundando-se sozinha em diversas técnicas até sentir a necessidade de desenhar pessoas. Para essa nova etapa, buscou um curso de Anatomia para compreender as bases dos traços humanos.

Cada passo do novo momento, a artista publicava em seu Instagram, sem pretensões, e ia recebendo retorno positivo de amigos, familiares, conhecidos e inclusive das marcas citadas em seus posts.

 

Mistura de analógico com digital

Criação da artista digital Marcela Rodrigues

Mulheres fortes dão o tom das obras de Marcela Rodrigues

Munida de novas técnicas e decidida a retratar pessoas, Marcela sentiu necessidade de voltar-se para a expressão do feminino. Da plataforma analógica – papel, tela e tinta -, a artista passou para o meio digital, onde pode exercer melhor suas perspectivas de perfeição.

Atualmente, mescla com maestria os dois formatos em mulheres fortes, doces e profundas. Começa muitos trabalhos fazendo aquarelas em papel ou tela e depois transpõe para o digital. E quer ir além, para colocar à prova seu perfeccionismo de capricorniana, brinca, especialmente após o trabalho no painel coletivo da ZIV. “A arte é sempre um caminho, não é um ponto de chegada”, filosofa.

O painel da ZIV permitiu à artista elaborar melhor a imperfeição no digital. “Sabe aquele risco não totalmente certinho? A arte está nesse detalhe do momento.”

A paulistana destaca a participação do sócio da ZIV Gallery, Helder Kanamaru, em seu desenvolvimento artístico fazendo questionamentos inquietantes sobre perfeição e quem pode dizer: “isto é perfeito” ou “é imperfeito” e se sentiu acolhida com as novas reflexões.

“A ZIV foi abrindo portas e novas possibilidades. A história do painel foi um desafio importante, porque a maioria da galera pega spray e faz algo maravilhoso sem rascunho. Eu gosto de fazer rascunho antes, medir. Aí vieram Evandro e Keity, me inseriram nesse projeto lindo para o qual tive de subir em andaime para fazer minha parte. Nunca fiz isso na vida e esperei para ver como seria misturar tantos estilos e o painel ficou incrível. Está sendo uma possibilidade de troca e aprendizado muito grande”, conta. Ela desenhou a índia com folhas do mural interno da ZIV.

Marcela Rodrigues

Para Marcela, a arte é uma forma de comunicação

“Sou perfeccionista, mas estou aberta às propostas da arte e já considero usar o spray em meus trabalhos”, adianta.

Para Marcela, sempre tímida, a arte é uma forma de comunicação. A arte fala por ela. É um modo de expressar-se no mundo sem ter de falar, mas dizendo tudo.

Conheça as obras de Marcela Rodrigues na ZIV Gallery. A ZIV é uma galeria de arte contemporânea, localizada no Beco do Batman, cujo propósito é criar oportunidades e gerar transformações com arte!

 

Galeria de obras da artista digital Marcela Rodrigues:

Clique nas fotos para expandir e navegar.

 

 

Colab de Marcela Rodrigues e Francio de Holanda:

Clique nas fotos para expandir e navegar.